Benefícios fiscais no arrendamento

Proprietário e inquilino podem fazer deduções fiscais em sede de IRS com algumas despesas no arrendamento.

Para o inquilino

O inquilino pode deduzir à colecta de IRS, 30 por cento das rendas que pagou para habitação permanente, líquidas de subsídios ou comparticipações, com um máximo de 591 euros. Para isso é necessário que o contrato tenha sido celebrado ao abrigo do Regime de Arrendamento Urbano e que o imóvel seja destinado para habitação própria permanente.

Tanto o inquilino como o proprietário podem fazer deduções fiscais

Para o proprietário

Até a um máximo de 591 euros, o proprietário da casa pode deduzir à colecta de IRS 30 por cento das despesas com:

  • Juros e amortizações de dívidas contraídas com a aquisição, construção ou beneficiação de imóveis para habitação própria e permanente do inquilino;
  • Prestações devidas a cooperativas de habitação ou no regime de compras em grupo, para aquisição de imóveis para habitação permanente ou para arrendamento.

Além disto, o proprietário pode ainda incluir 30 por cento das despesas com a reabilitação de imóveis (até 500 euros) arrendados que sejam passíveis de actualização faseada em sede de NRAU.

Uma resposta a “Benefícios fiscais no arrendamento”

  1. Sílvia

    Alguém me explica melhor a parte respeitante ao proprietário?
    Este ano tive de retirar do IRS os juros relativos a um crédito que contraí para aquisição de uma casa que declarei como arrendada.
    Qual é a diferença para o que diz a notícia?

    Responder

Deixe um comentário

A Caixa de Comentários é moderada. O Saldo Positivo reserva-se o direito de não publicar os comentários que possam ser considerados ofensivos.

PUB