8 dicas para comparar seguros de saúde

Siga as dicas para comparar seguros de saúde.

Se está à procura de um seguro de saúde que o proteja a si ou aos seus familiares numa situação de doença, convém traçar o caminho certo para o alcançar o serviço adequado para si.

Seguros de saúde
Escolher o seguro de saúde ideal requer alguma análise.

Em Portugal, há mais de dois milhões de pessoas protegidas por seguros de saúde, de acordo com os dados do Instituto de Seguros de Portugal, muitas delas abrangidas por apólices que as empresas contrataram para os colaboradores. Se também quer estar protegido numa rede privada de saúde, conheça as 8 pistas para chegar ao seguro que mais se adequa ao seu perfil.

1. O que procura
Entre os muitos seguros que existem no mercado, a oferta de coberturas é enorme. Por isso, centre a sua atenção nos serviços que julga que lhe vão ser mais úteis. Por exemplo, se julga que precisa apenas de serviços de ambulatório que incluam despesas com consultas em rede privada, ou se já não está a pensar ter filhos pode deixar de lado coberturas mais caras como as relacionadas com o parto.

2. Coberturas
Os seguros de saúde não são todos iguais. A grande diferença está nas coberturas incluídas. Por exemplo, há seguros vocacionados para cobrir despesas de saúde como consultas em clínicas ou hospitais privados, os de ambulatório, seguros mais especializados na hospitalização, com cobertura de serviços de saúde como cirurgias ou outros actos médicos que envolvam o pagamento de despesas diárias de internamento, a própria cirurgia, exames e o pessoal médico.

Além destes, que podem estar combinados num só seguro, existem alguns seguros ainda mais completos que cobrem despesas não só de ambulatório e hospitalização, mas também vão até casos mais específicos como os de parto ou estomatologia, o que agrava o prémio pago pelos segurados.

3. Assistência ou reembolso
Quando contrata um seguro de saúde, normalmente pode utilizar os serviços  de duas maneiras: na rede contratada ou fora da rede. Na rede de serviços de saúde ligada ao seguro (assistência), paga um montante fixo por serviço ou uma percentagem do montante do acto médico, fazendo um co-pagamento.  Fora da rede convencionada e através do sistema de reembolso, pode utilizar serviços médicos suportando no momento o pagamento dos actos clínicos, sendo reembolsado mais tarde (até 30 dias) pela seguradora numa percentagem do serviço que pode chegar a valores como os 90 por cento, mediante apresentação de facturas.

Para comparar seguros, além de comparar o montante do prémio anual, poderá ter em conta a extensão da rede convencionada, do montante de co-pagamento e da percentagem do reembolso. Quanto mais alto o reembolso e menor o co-pagamento, maior a sua poupança. Se está no interior do país ou numa zona geográfica com escassa rede ligada a seguros opte pelo sistema de reembolso, mas se vive numa grande cidade com boa cobertura da rede escolha o serviço de assistência.

Para os que querem combinar as duas modalidades, alguns seguros permitem o sistema misto.

4. Cartões de desconto
Algumas seguradoras oferecem cartões de desconto em serviços de saúde na sua rede que podem ser utilizados sem limites. O cliente terá apenas de pagar uma parcela do montante do serviço realizado na rede privada de saúde. Comparar descontos na rede nos cartões existentes pode ser um caminho para ter uma saúde sempre à mão, com preços que não sejam demasiado elevados.

5. Maior a família, menor o prémio
Ter um seguro em família permite não só proteger a totalidade do agregado, mas também potenciar descontos. A generalidade dos seguros permite que a entrada de um novo membro numa mesma apólice reduza o prémio numa determinada percentagem. Comparar os descontos que as diferentes companhias seguradoras oferecem por mais elementos ligados ao mesmo seguro de saúde é uma forma de conduzir ao prémio mais em conta.

6. Atenção aos limites de idade
Há uma condição que pode limitar desde logo a sua escolha do seguro: a idade. Nem todos os seguros permitem que o segurado tenha uma idade a rondar os 60 anos e alguns têm limites máximos de idade para a renovação dos contratos deste tipo de seguros. Se já chegou à idade da reforma ou se está perto, este pode ser um factor que condiciona a sua opção.

7. Mais seguros, seguro mais barato
Assim como num banco, quanto maior a relação financeira, maiores os benefícios ou menores as comissões. Nas seguradoras essa lógica também existe. Se já tiver um seguro automóvel, de habitação ou outro numa determinada seguradora, incluir este novo seguro de saúde na mesma companhia pode originar um benefício para si, já que as seguradoras privilegiam os clientes com mais produtos.

8. Carência
Tenha em conta que ter um seguro de saúde não significa utilização imediata dos serviços. Tirando os acidentes, os outros serviços de saúde estão normalmente condicionados a um período de espera que pode ser de alguns meses. Se está grávida e está a pensar num seguro de saúde que inclua o parto tenha atenção a este período de carência. Imagine que fazia o seguro aos 90 dias de gravidez e que o seguro exigia um período de carência de 270 dias. Provavelmente, já teria de equacionar um segundo filho para usufruir dos serviços no parto.

Uma resposta a “8 dicas para comparar seguros de saúde”

  1. Abusos Seguro Saúde

    Excelente, faltou só um alerta sobre os potenciais fraudes e ilegalidades cometidos pelas seguradoras

    Responder

Deixe um comentário

A Caixa de Comentários é moderada. O Saldo Positivo reserva-se o direito de não publicar os comentários que possam ser considerados ofensivos.

PUB