Amortizar o crédito: Quando compensa?

Amortizar ou poupar? O que fazer quando tem algum dinheiro disponível.

remUma dúvida comum entre os consumidores que conseguem colocar algum dinheiro de parte é a seguinte: O que fazer com este dinheiro? Devo utilizá-lo para amortizar o crédito à habitação (ou crédito pessoal)? Ou será que mais vale investir este montante num produto de poupança ou investimento? A resposta a esta pergunta não é linear e depende de vários fatores.

Mandam as regras das finanças pessoais que os consumidores utilizem de preferência os montantes poupados primeiro para saldar dívidas. Mas esta opção nem sempre pode ser vantajosa. Por exemplo: se a taxa de juro do crédito à habitação for inferior à taxa de juro que receberá por investir a sua poupança numa aplicação financeira, então neste caso provavelmente investir será mais compensador do que amortizar.

Mas optar por amortizar ou investir é sobretudo uma decisão que está dependente dos objetivos financeiros e pessoais de cada consumidor. Para muitos agregados familiares, a amortização do crédito à habitação é uma solução mais atrativa porque permite reduzir a prestação mensal e montante total de juros a pagar ao banco. Já outras pessoas preferem investir e ver o seu ‘pé-de-meia’ crescer. Veja então em que situações compensa amortizar e investir.

 

Quando compensa poupar?

Investir o dinheiro disponível num depósito a prazo pode compensar quando a taxa de juro do produto escolhido for superior ao juro que está a pagar no crédito à habitação. No geral, atualmente as taxas de juro dos empréstimos estão baixas, considerando que os indexantes mais comuns estão em mínimos históricos (a Euribor a seis meses estava a 0,181% no dia 11 de novembro deste ano) e muitos créditos antigos têm ‘spreads’ reduzidos – recorde-se que antes do despoletar da crise económica era muito comum os bancos atribuírem ‘spreads’ pouco acima dos 0%.

Isto poderia significar que iria compensar poupar o dinheiro, no entanto, em agosto de 2014, a taxa de juro bruto média em depósitos a prazo até um ano era 1,50%, de acordo com o Boletim Estatístico de Outubro, do Banco de Portugal. Enquanto isso, segundo a mesma fonte, a taxa de juro média das novas operações de crédito à habitação é 3,09%.

 

Poupar vs amortizar: um exemplo prático

Para ter uma ideia, o Saldo Positivo fez uma simulação na ferramenta disponível no Portal do Cliente Bancário. Foi tido em conta o impacto que uma amortização de 2.000 euros teria na prestação mensal de um crédito à habitação, de 100 mil euros, a pagar em 30 anos, com uma TAN (Taxa Anual Nominal) de 2,5%. Pressupôs-se que esta amortização seria feita cinco anos após o início do pagamento do crédito. Ao mesmo tempo calculámos quanto é que esses mesmos 2.000 euros poderiam render ao final de um ano se fossem aplicados num depósito a prazo com a mesma taxa de juro (2,5%).

Amortizar: Tendo em conta o exemplo acima referido, a mensalidade que uma família teria de suportar antes da amortização era de 395,12 euros. Se ao fim de cinco anos, decidisse amortizar 2.000 euros, a prestação baixaria para 386,15 euros, uma diferença de 8,97 euros por mês, o que ao final de um ano, daria uma poupança de 107,64 euros. Parece uma diferença residual, porém findos os 25 anos que ainda remanescem para acabar de pagar a casa, a poupança seria de 2.691 euros.

Note-se que a este valor (107,64 euros) será ainda necessário abater 10 euros, isto porque ao amortizar o crédito à habitação terá de pagar uma taxa de 0,5% do valor que reembolsou (caso tenha escolhido taxa de juro variável) ou de 2% (se tiver optado por uma taxa de juro fixa). Neste caso, pressupondo que o crédito à habitação estaria indexado a uma taxa de juro variável, a comissão que teria de pagar ao banco seria de 10 euros (2.000 euros * 0,5%).

Poupar: Se pegasse nesses mesmos 2.000 euros e decidisse aplicá-los num depósito a prazo com uma TAN de 2,5%, ao final de um ano esse dinheiro teria crescido 36 euros, depois dos impostos devidos. Isto significa que se amortizasse o dinheiro no crédito à habitação, em vez de colocá-lo num depósito a prazo, ao fim de um ano ficaria com mais dinheiro na conta bancária.

 

Amortizar no crédito ao consumo e cartões de crédito

Se tiver um crédito ao consumo ou cartão de crédito, na maior parte dos casos é mais vantajoso amortizar, devido à diferença de taxas de juro que estes empréstimos têm em relação ao crédito para comprar casa. As regras de reembolso antecipado nos créditos desta natureza também são diferentes do que acontece com o crédito à habitação.

A comissão cobrada pela amortização antecipada do crédito ao consumo está limitada a um máximo de 0,5% do montante reembolsado, caso falte mais de um ano para o pagamento total da dívida, ou a um máximo de 0,25%, se faltar menos de um ano para amortizar o crédito.

Para ter uma noção do alívio que poderá sentir se decidisse amortizar os 2.000 euros num crédito pessoal de 10 mil euros, com uma taxa de juro fixa de 8,28% (média dos créditos ao consumo entre um a cinco anos), a pagar em cinco anos, o Saldo Positivo fez uma simulação no Portal do Cliente Bancário. Assim, se decidisse amortizar este valor passado um ano de ter começado a pagar o empréstimo, a prestação mensal iria cair de 205,7 euros para 156,28 euros, o que dá uma diferença mensal de 49,42 euros. Contas feitas, no final do ano, iria ter na carteira mais 593,04 euros. A este valor teria de descontar 10 euros de comissão de reembolso antecipado.

 

Três ideias alternativas para aplicar os dois mil euros

– Fundo de emergência: Se ainda não tem um fundo de emergência, esta poderá ser uma boa oportunidade para começá-lo. De nada servirá amortizar o crédito, se houver a possibilidade de ficar desempregado dentro de alguns meses e não tiver uma almofada financeira. O fundo de emergência deve conter um valor equivalente, no mínimo, às despesas fixas de seis meses.
– Poupança reforma: Pode aproveitar esta liquidez para reforçar a poupança para a reforma. Se, por exemplo, tem um Plano Poupança Reforma, poderá fazer entregas pontuais.
– Investimento mais arriscado: Com os depósitos a prazo com remunerações reduzidas, poderá ser interessante aplicar o dinheiro num produto com uma rendibilidade mais apelativa e, assim, diversificar o portefólio. No entanto, antes de tomar uma decisão de investimento, não se esqueça de se informar sobre os riscos que corre.

 

Leia também:

Conheça todos os custos do crédito à habitação

Seis mitos que podem conduzi-lo ao sobre-endividamento 

Sete questões para saber ler uma proposta de crédito

Crédito da casa: Regime extraordinário com acesso mais fácil

Crédito à habitação para deficientes com novas regras

Condomínio: Quatro dúvidas, quatro respostas

Oito passos para comprar casa

Como poupar na compra de casa?

 

2 respostas a “Amortizar o crédito: Quando compensa?”

  1. Luís

    E porque não colocar parte desse dinheiro no depósito a curto prazo(até 1 ano) e reduzir 1, 2, ou 5 anos o prazo de pagamento. Vantagens: continua com parte do dinheiro, o banco não lhe cobra a redução desse prazo e o aumento da prestação é pago com parte do dinheiro que não investiu.
    Espero que ajudado

    Responder
  2. nuno batista

    Nao consideraram nas contas o seguro de vida associado ao empréstimo.
    Este diminui com a amortização do mesmo.

    Responder

Deixe um comentário

A Caixa de Comentários é moderada. O Saldo Positivo reserva-se o direito de não publicar os comentários que possam ser considerados ofensivos.

PUB