Cinco passos importantes a dar antes de comprar casa

Está a pensar comprar casa num futuro próximo? Conheça alguns passos a dar antes de tomar essa decisão.

antes de comprar casaComprar casa é um dos marcos financeiros mais importantes na vida da maior parte das pessoas. Uma vez que é um investimento bastante avultado, é uma decisão que deve ser tomada com consciência e levada bastante a sério.

Prepare-se em todos os aspetos (financeiramente e também psicologicamente), para que a decisão final tenha impacto positivo na sua vida, e não o contrário. Conheça cinco passos muito importantes a dar antes de comprar casa.

 

1. Comprar casa ou arrendar?

Comprar ou arrendar casa tem vantagens e desvantagens. Se, por um lado, a prestação mensal do crédito poderá ser inferior ao arrendamento, por outro lado, traz mais responsabilidades. O proprietário da casa é responsável por todos os arranjos necessários, tem de pagar impostos, seguros e condomínio, entre outros custos. Se não estiver financeiramente preparado para estes custos, poderá comprometer a estabilidade financeira do agregado familiar. Se esta não for a altura ideal para comprar casa, poderá valer a pena esperar.

 

2. Começar uma poupança antes de comprar casa

Quanto maior for o valor que conseguir dar de entrada, menor será o valor que terá de pedir emprestado ao banco. Isso fará com que a prestação mensal seja inferior e, no final das contas, o valor total do crédito também será menor. Por isso, muito antes de começar a ver casas, e a fazer simulações de créditos, o primeiro passo a dar é começar uma poupança para dar de entrada ao banco.

Assim, todos os meses deverá alocar uma parte dos rendimentos de lado. Este valor deve ser definido em função dos seus rendimentos (por exemplo: 10% do seu salário) e é importante que seja colocado num produto financeiro que pague juros, permita realizar reforços e que seja mobilizável a qualquer altura.

 

Ideia

As contas de poupança-habitação têm por objetivo a constituição de poupança para comprar casa. Nestas contas os juros são capitalizáveis, permitem a mobilização antecipada (com penalização de juros) e reforços a qualquer altura. Se usar a quantia que amealhou para dar entrada para a casa, poderá ter reduções com os atos notariais e registo predial.

 

3. Conhecer a sua taxa de esforço

Antes de comprar casa e se comprometer com um crédito à habitação, é importante que saiba até onde é que pode ir. As despesas com um empréstimo para comprar um imóvel serão, provavelmente, as que mais irão pesar ao longo da sua vida, e que o acompanharão durante dezenas de anos. Por isso, é muito importante saber quanto é que poderá pagar de prestação mensal, para não comprometer o seu futuro financeiro. A melhor forma para verificar essa situação é através do cálculo da taxa de esforço.

A taxa de esforço é a percentagem do rendimento familiar, que é destinada ao pagamento de prestações de crédito. Este indicador não deverá ser alto, caso contrário, estará a absorver uma parte significativa do rendimento e, em caso de situação de emergência, poderá não conseguir fazer face ao compromisso financeiro com o banco, ou às despesas mensais mais elementares. Segundo a Deco, a taxa de esforço de um agregado familiar não deve ser superior a 35%, ou seja, no conjunto, todos os empréstimos não devem exceder 35% dos rendimentos.

Taxa de esforço = (Encargos financeiros mensais / Rendimento) x 100

Por exemplo, uma família com rendimentos mensais de 2.000 euros, que tenha um crédito à habitação no valor de 500 euros e um crédito automóvel no valor de 300 euros, terá uma taxa de esforço de 40%, acima dos 35% recomendados pela Deco.

 

4. Fazer um orçamento familiar

Um passo importante a dar antes de comprar casa, é analisar a situação financeira da família, traçar possíveis cenários de futuro (por exemplo, a família vai aumentar nos próximos anos? Ou pretende ir trabalhar para o estrangeiro?) e a estabilidade dos rendimentos (é trabalhador independente? Tem contrato a prazo ou sem termo?). Se tiver rendimentos instáveis, se não tem vínculo à empresa onde trabalha, este indicador deve ser analisado com extra atenção, porque se as despesas aumentarem muito, ou se os rendimentos decrescerem, poderá tornar-se complicado cumprir as obrigações que tem com o banco.

Não existe melhor ferramenta para controlar as despesas e as receitas, do que o orçamento familiar. Este deve ser mensal, e contemplar despesas e objetivos de poupança anuais. Poderá fazer esta ferramenta numa folha de Excel. Numa coluna, coloque todos os rendimentos obtidos pelo agregado familiar (ordenados, rendas, pensões, subsídios e remunerações de aplicações, por exemplo). Na segunda coluna, deverão estar discriminadas todas as despesas: prestações de crédito, seguros, impostos, despesas da casa (água, luz e gás, por exemplo), despesas com automóvel (gasolina, manutenção, portagens, por exemplo), despesas com educação, despesas pessoais (restaurantes, vestuário, etc.).

Esta ferramenta permitirá calcular a diferença entre rendimentos e despesas, aprofundar os conhecimentos sobre as suas finanças, conhecer a sua taxa de esforço e, por fim, saber quanto poderá pagar por uma casa.

 

5. Quanto poderá pagar pela casa

Procurar a casa ideal será uma das partes mais interessantes de todo o processo, mas uma escolha errada poderá ter consequências graves a médio ou a longo prazo. Para não comprometer o seu futuro financeiro, é importante definir quanto poderá pagar pela casa. Tendo em conta os fatores acima referidos, antes de começar a ver casas com cenários irrealistas, é hora de estabelecer o valor do imóvel adequado à sua situação financeira. Assim, terá de definir previamente alguns fatores:

– Quanto poderá pagar de prestação mensal?

– Qual o valor que conseguirá dar de entrada?

– Em quanto tempo pretende pagar o empréstimo?

– Qual a taxa de juro que pretende escolher para o seu empréstimo?

– Qual o valor anual estimado dos seguros, com o crédito à habitação?

– Quanto pagará de impostos pela casa (IMI e IMT)?

Uma vez tendo aferido estes pormenores, será possível chegar a uma conclusão sobre o valor de empréstimo que terá de pedir e, consequentemente, o valor que poderá pagar pela casa. Antes de comprar casa, trace vários cenários, na calculadora de crédito à habitação do Todos Contam.

 

Leia também:

Crédito à habitação: Guia para comprar casa

Cinco fatores a analisar numa FIN de crédito à habitação

Amortizar o crédito: Quando compensa?

Conheça todos os custos do crédito à habitação

Deixe um comentário

A Caixa de Comentários é moderada. O Saldo Positivo reserva-se o direito de não publicar os comentários que possam ser considerados ofensivos.

PUB