Como fazer refeições por menos de 1,25 euros?

Gastar menos de 1,25 euros por refeição. Acha impossível? O Saldo Positivo mostra-lhe que não.

refeiçõesJack Monroe é, provavelmente, a rapariga com nome de rapaz mais conhecida da Europa atualmente. Esta britânica, de 24 anos, tem conquistado milhares de internautas graças ao seu blogue onde apresenta sugestões de refeições económicas e saudáveis e onde se fala também sobre política. Monroe consegue fazer refeições para ela e para o filho gastando apenas 10 libras por semana (o equivalente a 11,6 euros). A crise económica que afeta toda a Europa e a subida do desemprego encarregaram-se do sucesso deste blogue: Jack Monroe tem uma legião de milhares de seguidores e prepara-se para lançar um livro de receitas económicas. Mais: as receitas de Monroe são uma referência juntos dos bancos alimentares ingleses.

O fenómeno de Jack Monroe não se cinge apenas ao Reino Unido. Em Portugal florescem como cogumelos, os blogues, livros e programas de televisão onde se ensina a cozinhar por pouco dinheiro. A pensar nas dificuldades que a população portuguesa sente na gestão dos seus orçamentos familiares, o Saldo Positivo entrevistou Joana Roque, autora de diversos livros de culinária e de dois blogues culinários, para dar a conhecer as suas dicas de poupança na preparação de refeições. Leia também o artigo: Como organizar o seu orçamento quando está sem dinheiro.

Autora de um dos primeiros blogues que surgiram em Portugal sobre cozinha low cost (Economia cá de casa) Joana Roque leva o conceito de poupança a peito. “Sempre fui muito poupada. Lembro-me de na adolescência receber a semanada e de apontar todos os meus gastos em caderninhos. Aliás, ainda tenho esses caderninhos comigo”, diz Joana Roque numa gargalhada.

O blogue nasceu em 2008, após a falência da Lehamn Brothers, numa época em que ainda pouco se fala de crise: “Notei naquela altura que ainda havia poucas pessoas que faziam aproveitamentos de comida, faziam orçamentos ou tinham preocupações financeiras quando iam às compras ao supermercado”, explica a escritora e blogger. A crise veio, no entanto, mudar este cenário: “Em menos de um ano, o blogue cresceu bastante: as pessoas tornaram-se mais preocupadas com a economia doméstica e a perceber como é que gerindo um orçamento mais reduzido se consegue rentabilizar ainda mais as coisas. No fundo, as pessoas sentiram a necessidade de adaptarem os seus orçamentos à nova realidade”, explica Joana Roque. Leia também o artigo: Cinco formas de reduzir o desperdício alimentar

E para poupar no orçamento com a alimentação não tem de passar fome ou abdicar de comer o seu prato preferido. Tudo se resume a planificação, atenção ao fazer as compras e alguma criatividade na cozinha. Aqui ficam algumas dicas:

 

1. Planeie as refeições

“Há duas regras de ouro que para mim são essenciais para as pessoas conseguirem poupar na alimentação: a primeira tem a ver com a planificação de todas as ementas da semana. Além disso, é aconselhável ir às compras apenas uma vez por semana, com uma lista para não ceder à tentação de colocar mais produtos no cesto do que aqueles que tinha previsto”, refere Joana Roque. Leia também o artigo: Como poupar dinheiro na cozinha

 

2. Não desperdice comida

Tem uma carcaça já dura e está em pensar em deitar fora? Não o faça. Tudo pode ter um aproveitamento. “Nunca desperdiço comida. Tudo é aproveitado para uma refeição. Por exemplo: faço carne assada, e como nós cá em casa somos apenas duas pessoas, fico com carne para várias refeições. Mas em vez de estar três dias a comer o mesmo prato, pico a carne e dali posso fazer croquetes, um empadão ou uma lasanha. Ou seja, o mesmo prato serve para confecionar uma infinidade de refeições e como a carne já está cozinhada, perdemos menos tempo a fazer os restantes pratos”, explica Joana Roque. Com o pão é igual. “O pão pode estar rijo, mas aproveito-o para fazer pão ralado, ou uma açorda ou ainda um pudim de pão”.

 

3. Opte pela comida de um tacho só

Imagine que tem apenas três febras em casa para alimentar quatro pessoas. Se as cozinhasse de forma individual não dava para toda a gente. Mas se optar por partir aos bocadinhos as febras para fazer um arroz de carne e juntar-lhe cenoura e outros legumes, fica com uma refeição que dá para as quatro pessoas. “Possivelmente ainda sobrará comida para levar no dia seguinte para o trabalho numa marmita”, afirma a escritora e blogger. Leia também o artigo: Nove cabazes de fruta e legumes por menos de 16 euros

 

4. Evite as refeições pré-congeladas

Muitas vezes, as pessoas compram estas refeições porque elas permitem poupar tempo. Mas Joana Roque diz que não há razão para tal: se as pessoas planificarem as suas ementas podem, por exemplo, fazer comida a mais e congelar, para desta forma ter sempre comida praticamente pronta a comer e não ter de ceder à tentação de comprar comida pré-congelada. O mesmo se aplica às embalagens de salada pré-lavada: “São caras e afinal não é preciso tanto tempo para se lavar uma alface e cortar um tomate às rodelas que justifique esta opção”, explica Joana Roque.

 

5. Opte por comprar fruta e legumes da época

Na sua alimentação e confeção de refeições privilegie as frutas e os legumes da época, pois estará a poupar alguns euros. Além de que são, em regra, mais saborosos do que quando consumidos fora da sua época típica. Leia também o artigo:  Seis dicas para poupar no supermercado

 

6. Cuidado com as promoções

As promoções podem ser muito amigas da sua carteira. Mas tal não significa que tenha de aderir e aproveitar todas as promoções que apareçam no supermercado. “É preciso ter algum cuidado com as promoções. Muitas vezes as pessoas entusiasmam-se e acabam por comprar mais do que deviam e precisavam”, refere a blogger.

Continue a ler o artigo nas páginas seguintes: 1 2 | Ver artigo Completo

16 respostas a “Como fazer refeições por menos de 1,25 euros?”

  1. Rui Costa

    Excelente artigo! A alimentação é daquelas coisas em que podemos gastar muito, o inverso também é verdade, podemos poupar e comer de forma saudável!

    Responder
  2. Helena Ferreira

    Fantástico! Um tema muito útil e que nos ajuda a reflectir, sobre os nossos hábitos alimentares e o orçamento associado.

    Responder
  3. Queremos Vales de Desconto

    Excelentes sugestões! Obrigada 😉

    Responder
  4. Daniel

    uma das outras opções não faladas aqui e que pode ser útil: comprar directamente aos fornecedores.
    prático culturismo o que me faz ter uma alimentação restrita e “cara” porque involve muita carne, uma das opções mais viáveis que utilizo e a compra ao fornecedor, encomendo no inicio do mês uma grande quantidade de comida e depois armazeno tudo no congelador e vou cozinhando

    Responder
    • rick

      bem visto caro amigo. alem dessa deixo outra dica que uso a anos e funciona em todos os aspectos .comprar todos os frescos no mercado pois da sempre para negociar e compo sempre mais barato aquela fruta um pouco mais madura nao me faz diferenca uma vez que vou de dois em dois dias ao mercado

      Responder
  5. Paula

    Gostei! Quero mais!

    Responder
  6. maria

    Muito engraçado e como acho que ainda sei fazer contas aí vai:
    11,60:7 dias = 1,1657/dia
    1,1657:2 =0,8285 cada um
    Assim sendo cada refeição fica por 0,414 cêntimos.
    VÂO DAR BANHO AO CÂO

    Responder
    • Saldo Positivo

      Boa tarde Maria,
      Os 11,60 euros que refere nas suas contas é o valor de referência que a britânica Jack Monroe usava por semana para cozinhar para si e para o seu filho. Não é o valor das receitas que nós apresentamos neste texto e que foram sugeridas pela Joana Roque. Estas três receitas que constam neste artigo têm um custo global de cinco euros cada uma. Tendo em conta que cada receita é concebida para quatro pessoas, significa que o custo médio de cada refeição por pessoa se situa nos 1,25 euros que referimos no título do artigo (5 euros/4 pessoas= 1,25 euros).
      Atenciosamente,
      A Equipa Editorial do Saldo Positivo

      Responder
  7. vitaliosantos

    Adorei as dicas. Obrigado !!!

    Responder
  8. sandra santos

    espectacular !!! Vou experimentar algumas dicas !

    Responder
  9. jose manuel moutinho

    Os meus sinceros cumprimentos gostei e recomendo a amigos e amigas do meu circulo intimo ,a lerem as suas dicas de a uns tempos para cá que utilizo o seu método de poupar e da resultado .

    Responder
  10. Sónia

    Meus comprimentos e muito obrigada Sra Alexandra por este blogue , porque vai ajudar-me imenso ….. E também vou recomendar este blogue para minhas amigas e amigos ……

    Responder
  11. Ana

    Excelente ! acrescento um prato económico o souflé de atum e para quem tem salsichas em lata – adicione a picados ou salteie com numa frigideira com couve lombarda cozida e ovo batido – sal e nós moscada boas festas

    Responder
  12. A.PETRICA

    NO POUPAR É QUE ESTÁ O GANHO.

    Responder
  13. FalamosDepois

    Creio que pelo que aqui se deixou escrito só dar para chegar a uma conclusão:os Portugueses andam mesmo a atravessar a crise e a tentar sobreviver até na alimentação,valha-me Deus!!!Ao que chegámos!!!Mas eu vivo nalgum campo de refugiados para ter que me alimentar e à família com 1,25 euros por refeição???Assim,de facto,nunca mais saímos da mediocridade e este País será sempre uma miséria!

    Responder
  14. Belém

    Se não é possível comer melhor que remedio

    Responder

Deixe um comentário

A Caixa de Comentários é moderada. O Saldo Positivo reserva-se o direito de não publicar os comentários que possam ser considerados ofensivos.

PUB