Conheça seis formas preguiçosas para conseguir poupar

Veja quais são os mecanismos, como os débitos diretos, que podem ajudar os consumidores mais distraídos a controlarem os seus orçamentos.

pregiçaartigoA preguiça não é uma característica que seja bem vista. E no campo das finanças pessoais a inércia costuma ter efeitos negativos na riqueza de uma família. Recorde-se que é muitas vezes por inação que os consumidores tomam as piores decisões da sua vida financeira: escolhe-se a primeira oferta que aparece sem se ter a preocupação de analisar a oferta da concorrência; não se controla as despesas mensais do agregado ou adia-se sucessivamente uma ida ao banco para tentar negociar o crédito à habitação.

Se pertence a este clube, descanse: nada está perdido. Existem cada vez mais ferramentas que possibilitam até aos consumidores mais preguiçosos e distraídos ter o controlo sobre as suas finanças pessoais e garantir que sobra sempre dinheiro ao final do mês. Conheça então alguns destes mecanismos que jogam a favor dos mais ociosos.

 

1. Adira aos pagamentos por débito direto:

Alguma vez já lhe cortaram o acesso a algum serviço (água, luz, telecomunicações) pelo atraso de pagamento? Se sim, está na hora de aderir aos pagamentos feitos por débito direto. Muitas vezes o atraso de pagamento das contas mensais não se deve à falta de dinheiro, mas antes à falta de memória dos consumidores e à tendência que muitas pessoas têm para procrastinar e adiar a execução de algumas tarefas para mais tarde.

Para evitar falhar o pagamento das principais contas da família pondere recorrer aos pagamentos por débito direto. Com esta solução, a entidade prestadora do serviço debita diretamente da conta bancária do consumidor (e com a sua autorização) o valor da fatura mensal que terá de suportar. Ou seja, o consumidor não tem de se preocupar com prazos de pagamentos: apenas terá de garantir que a conta bancária dispõe de saldo suficiente para fazer face às faturas que vão surgir.

O processo é bastante simples: Se uma pessoa quiser que a sua conta da luz, por exemplo, passe a ser paga por esta via basta deslocar-se a uma caixa de multibanco, selecionar a opção débitos diretos e seguir os passos, sem se esquecer de inserir a identificação do credor e o número de autorização. Através do multibanco poderá ainda cancelar a autorização de débito em conta, definir prazos de pagamento e estabelecer ou alterar os montantes máximos a debitar.

 

2. Faça agendamentos de transferências automáticas

Se quer poupar todos os meses mas tem algumas dificuldades em organizar-se para conseguir garantir que chega ao final do mês com o saldo positivo então a solução indicada para o seu caso passa pelo agendamento de transferências automáticas (a partir de 10 euros por mês). Por exemplo, pode dar uma ordem junto do seu banco para que no início do mês sejam sempre transferidos 50 euros da sua conta-ordenado para a sua conta-poupança ou para um PPR. Desta forma, estará a poupar de forma automática e sem se dar conta disso. Além de ser uma forma cómoda e fácil de poupar é também um mecanismo que ajuda-o a controlar os seus gastos, já que o montante que é canalizado para a poupança deixa de estar disponível para o consumo.

 

3. Aponte as datas-chave no seu calendário:

É um método arcaico mas pode ser eficaz: Coloque um grande calendário na sua cozinha e vá apontando (com canetas coloridas) algumas datas-chave da sua vida financeira, como por exemplo, a data limite para entregar o seu IRS ou a data em que termina o prazo para devolver algum bem alugado (livros, DVD’s). Segundo o site financeiro americano, Investopedia, esta é uma das formas mais eficazes de evitar que seja alvo de multas e coimas pelo atraso de pagamentos ou de devoluções de bens.

4. Saiba onde pode comprar mais barato… a partir do seu sofá

Seja nas compras de supermercado, nos combustíveis, nos serviços bancários ou nos serviços de telecomunicações, o grande trunfo para as famílias conseguirem poupar é saber onde podem comprar mais barato. Até há uns anos atrás, descobrir qual era a loja ou o fornecedor mais em conta implicava um duro trabalho da parte dos consumidores: tinham de “bater” à porta das empresas, apurar quais as condições oferecidas e compará-las com a oferta das empresas concorrentes.

Atualmente, a situação é bastante diferente e os consumidores podem ficar a saber, a partir do seu sofá, qual é a oferta mais vantajosa. Para isso basta acederem à internet. Por exemplo: Se quer saber qual é a loja que tem os eletrodomésticos, telemóveis, consolas, computadores mais baratos poderá recorrer ao site comparador de preços, KuantoKusta. Se quer saber qual é tarifário de telemóvel mais barato para o seu perfil ou o pacote de telecomunicações mais em conta consulte o simulador disponibilizado para esse efeito pela ANACOM: com.escolha. Já se o seu objetivo é ver qual é o posto de gasolina mais barato na sua área de residência para atestar o depósito do seu automóvel, então recorra ao site que pertence à Direção Geral de Energia e Geologia, Preços dos Combustíveis. Por outro lado, pode utilizar o simulador da Deco Proteste para ver qual é o supermercado mais barato para fazer as suas compras.

 

5. Vá ao banco pela internet

Se não gosta de ir ao banco, nem de estar à espera de ser atendido pelos funcionários da instituição financeira saiba que poderá fazer a maior parte das operações bancárias usando o serviço de ‘homebanking’ da instituição. Este serviço tem duas grandes vantagens: a comodidade (pode ir aceder à sua conta a qualquer hora e em qualquer dia da semana) e o preço. Recorde-se que a maioria dos bancos cobra comissões mais baixas se os clientes fizerem algumas operações bancárias (como transferências bancárias, requisição de cheques, operações de bolsa) utilizando o serviço de ‘homebanking’ e outros canais automáticos, em vez de as executarem ao balcão. Segundo os dados do Banco de Portugal, no final de 2013 existiam cerca de 8,6 milhões de contas de depósito à ordem com acesso à internet.

 

6. Instale uma ‘app’ de gestão de orçamento familiar no seu telemóvel

Se foge das folhas de excel como “o diabo da cruz”; se é distraído e não consegue ter um controlo sobre os seus gastos, se quando está a chegar ao final do mês fica surpreendido quando o dinheiro que já gastou então tem de encontrar uma forma de colocar as suas finanças em piloto automático. Como? Instalando ferramentas e aplicações de gestão de orçamento familiar no seu smartphone. É o caso de ‘apps’ como o Toshl Finance, do Easy money ou do ‘software’ português Boonzi. Desta forma, poderá monitorizar através do seu telemóvel a evolução das suas despesas e fazer ajustamentos no seu orçamento familiar.

 

Leia também os seguintes artigos relacionados com o mesmo tema:

– 10 Dicas para poupar… em casa

– Teste:Descubra se é uma pessoa poupada ou gastadora

– Como poupar dinheiro na cozinha?

– Como organizar o orçamento quando está sem dinheiro

– Como poupar nas compras de supermercado

– Calculadora: quanto tem de poupar para chegar a milionário?

Uma resposta a “Conheça seis formas preguiçosas para conseguir poupar”

  1. João Martins

    É incrível a confusão de conceitos num artigo de um banco. A poupança esta sempre na reserva do capital e não no consumo. A ausência de controlo por automatismos aumenta o consumo e em detrimento de pagamentos em dinheiro vivo e vosso marketing sabe disso.

    Responder

Deixe um comentário

A Caixa de Comentários é moderada. O Saldo Positivo reserva-se o direito de não publicar os comentários que possam ser considerados ofensivos.

PUB