Contas de títulos: O primeiro passo para investir

Receber ordens de compra, de venda e de subscrição de produtos financeiros. Saiba tudo o que poderá fazer com uma conta de títulos.

ciUm investidor não pode negociar diretamente na bolsa. Para comprar e vender títulos é necessário recorrer aos serviços de um intermediário financeiro – que pode ser um banco ou uma sociedade de corretagem, e ter uma conta de títulos. Estes intermediários além de executarem as ordens de compra e venda podem também prestar aconselhamento no que diz respeito ao processo de escolha de investimentos dos clientes.

De acordo com as estatísticas publicadas no site da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Só no primeiro trimestre de 2014, o volume de ordens executadas no mercado pelos intermediários financeiros totalizou 60.397 milhões de euros, mais 37,5% do que em igual período de 2013.

Assim, se quer começar a dar os primeiros passos no mundo da bolsa é necessário primeiro abrir uma conta de títulos. Através desta conta, o banco irá receber ordens de compra, de venda e de subscrição de produtos financeiros. A conta de títulos estará associada à sua conta bancária, mas com um número diferente, onde serão depositados os títulos que comprar.

 

Contas de títulos: Tudo o que pode fazer

Nesta conta estão à guarda os títulos (ações, obrigações, bilhetes do tesouro, unidades de participação em fundos de investimento, etc.) que não têm existência material ou aqueles que o investidor pretende transferir para a instituição financeira a tarefa de guardar e movimentar.

Através da conta de títulos pode fazer inúmeras operações relacionadas com os seus investimentos, como por exemplo, transmitir ordens de bolsa (comprar ou vender títulos, por exemplo), contratar serviços de registo e depósito de valores mobiliários, gestão de carteira ou consultoria para investimento. É ainda uma ferramenta fundamental caso queira ter o serviço ‘homebanking’, para negociar em plataformas eletrónicas.

De referir que para abrir uma conta-títulos é necessário celebrar um contrato de intermediação financeira e de registo e depósito de valores mobiliários e a prévia abertura de uma conta de depósito à ordem

 

Quais os custos associados a estes serviços?

Os intermediários financeiros cobram comissões pela prestação destes serviços. A informação sobre todos os custos e encargos deve ser entregue ao investidor antes da celebração do contrato e sempre que ocorram alterações que impliquem um agravamento desses custos. Conheça as comissões associadas a esta conta. Faça uma simulação dos custos no site da CMVM.

Comissão de transação de valores mobiliários em mercado: É um valor cobrado pelo intermediário financeiro pelo serviço de receção, transmissão ou execução de uma ordem de compra ou venda dada pelo investidor. Pode ter um valor fixo por ordem ou variável – percentagem do montante transacionado. Sobre o valor da comissão incide o imposto de selo à taxa de 4%.

Comissão de registo e depósito de instrumentos financeiros: Também pode ser denominada de comissão de custódia, ou comissão de guarda de títulos. É o valor cobrado pelo serviço de registo e depósito de instrumento financeiros na conta de cada investidor. Este custo pode ter um valor fixo ou variável – percentagem sobre os valores que fazem parte da conta -, com um limite mínimo e máximo. Normalmente é cobrado trimestralmente.

Comissão de emissão de certificado para participação em assembleia-geral: É um valor cobrado pelo intermediário pela emissão de um certificado que comprova a titularidade das ações e possibilita o exercício do direito de voto. Normalmente tem um valor fixo por cada certificado e sobre o seu preço, incide o IVA.

Comissão de pagamento de dividendos: É um valor cobrado sempre que é creditado na conta de títulos os dividendos que correspondem às ações que tem em carteira. Normalmente tem um custo variável – percentagem sobre o valor dos dividendos – e pode estar sujeito a um limite mínimo e a limite máximo. Estas comissões podem incluir despesas de porte e expediente. Sobre o valor da comissão incide IVA à taxa legal.

Comissão de pagamento de rendimento de obrigações: É semelhante à comissão de pagamento de dividendos. Ou seja, sempre que o intermediário financeiro credita na conta do investidor os rendimentos das obrigações de que este seja titular.

Comissão de transferência de valores mobiliários entre contas: É um valor cobrado pelo intermediário financeiro pela transferência dos instrumentos financeiros registados na conta de um investidor para outra conta. No caso de transferências entre contas de diferentes intermediários financeiros, esta comissão não é cobrada, normalmente, pelo IF para o qual a conta é transferida.

 

Leia também:

Como calcular os juros das suas poupanças?

Saiba se nasceu para ser milionário

Conheça três produtos para acumular poupança

Como funcionam os produtos financeiros complexos?

 

Deixe um comentário

A Caixa de Comentários é moderada. O Saldo Positivo reserva-se o direito de não publicar os comentários que possam ser considerados ofensivos.

PUB