Empresas na Caixa: “Crédito às empresas está a recuperar”

Conheça as histórias dos empresários que partilharam histórias de sucesso nacional e internacional nesta conferência.

josé de matos
O presidente da Comissão Executiva da CGD, José de Matos, falou sobre o crédito às empresas na abertura da conferência, em Lisboa.
Fotografia: Alvaro Isidoro / Global Imagens

Crescer e exportar foram as duas palavras-chave que marcaram ontem a segunda edição da Conferência Empresas na Caixa, que juntou em Lisboa centenas de empresários para debater a importância do setor privado para a recuperação da economia nacional. Sob o mote “Um grande potencial inovador e económico: as PME”, coube ao presidente da Comissão Executiva da CGD, José de Matos, dar início a este mesmo debate, sublinhando algumas das suas conclusões principais. “A economia está a recuperar e a dar a volta. E apesar dos riscos internos e externos, essa recuperação deverá continuar. Temos bons indicadores económicos que nos mostram isso mesmo”, sublinhou José de Matos, acrescentando ainda que as condições financeiras também estão mais favoráveis.

“Apesar do crescimento ainda ser tímido, tem sido sustentado, e por isso podemos antecipar que a recuperação da economia vai continuar. No entanto, precisamos que a Europa entre num novo ritmo para superar as dificuldades sentidas nos últimos anos”, frisou ainda o presidente da Caixa.

A par desta nota mais otimista sobre a evolução económica nacional, José de Matos salientou no entanto que os “grandes níveis de endividamento são um problema no setor privado, sobretudo ao nível das empresas”. “Não se trata apenas de dar crédito às empresas. As empresas devem encontrar formas alternativas de se capitalizar e assim poderem recorrer ao crédito de forma mais sustentada”, avisou o responsável do banco, garantindo: “A retoma da procura de crédito também significa que a economia está a melhorar. O crédito às empresas está a recuperar e no que diz respeito ao crédito às empresas exportadoras é positivo”.

Dirigindo-se a uma plateia repleta de empresários e empreendedores, José de Matos disse ainda que a CGD tem hoje um maior foco nas empresas, sobretudo nas PME, tendo passado de uma quota de mercado no crédito às empresas de 14,8% em 2008 para 18,2% em junho de 2014, muito graças à rede internacional da Caixa, que marca presença em 23 países.

Da mesma forma, Nuno Fernandes Thomaz, vice-presidente da Comissão Executiva da CGD, sublinhou também a importância das PME e das exportações para a economia portuguesa. “O país é mais sustentável se exportar. Nos últimos anos, empresários, empreendedores e empresas deram provas das suas capacidades”, afirmou num painel dedicado à temática da exportação. Sobre a concessão de crédito às empresas, Nuno Fernandes Thomaz garantiu que “não há restrições ao nível da competitividade do crédito: para bons riscos há ótimos preços no crédito, mas para riscos elevados não há crédito, e devia ter sido sempre assim”. O vice-presidente da CGD deixou ainda uma promessa: “Dentro da Caixa, e para as empresas da Caixa, temos uma visão fora da caixa”.

 

Conheça dois ‘case studies’ de empresas de sucesso aprentados na Conferência Empresas na Caixa: Frugal e Sodishoes.

Continue a ler o artigo nas páginas seguintes: 1 2 | Ver artigo Completo

Deixe um comentário

A Caixa de Comentários é moderada. O Saldo Positivo reserva-se o direito de não publicar os comentários que possam ser considerados ofensivos.

PUB
PUB
PUB