Lisbon Challenge chega ao fim com ronda de investimento

O Lisbon Investment Summit marcou o fim da edição de outono do Lisbon Challenge. Fique a conhecer as 10 'startups' finalistas.

Lisbon ChallengePara os empreendedores, na generalidade dos casos, o mais difícil é atrair e cativar o interesse dos investidores para a sua ideia de negócios. E para ultrapassar estas dificuldades há quem recorra às estratégias mais originais. Isso mesmo ficou visível no dia 5 de dezembro, durante a última edição do Lisbon Investment Summit – a fase final da terceira edição do Lisbon Challenge, o programa de aceleração de ‘startups’ internacional organizado pela Beta-i.

Johanes Ferreira, um dos responsáveis da startup Farmin, iniciou a sua apresentação dando, literalmente, música aos investidores que assistiam ao seu ‘pitch’: o empreendedor tocou harmónica e fez-se passar por um agricultor. O ‘pitch’ original cativou a atenção da plateia, mas não só. A Farmin foi uma das 10 empresas finalistas da última edição do Lisbon Challenge. Recorde-se que desde setembro que 22 ‘startups’ estão a participar neste programa que conta com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa e é patrocinado pela Caixa Geral de Depósitos através da Caixa Capital.

Além da Farmin fazem ainda parte do ‘top ten’ das empresas finalistas: a WalletSaver; Pure; Planedia; RewindCities; MagniFinance; Tationem; Walmond; My.SkinMix e a Doinn. Sendo que deste cabaz houve uma ‘startup’ que sobressaiu: a My SkinMix, empresa que produz cremes de beleza fabricados consoante as escolhas de quem os adquirir, foi a grande vencedora do prémio de 100 mil euros atribuído pela Caixa Capital.

Além do investimento monetário e da possibilidade de participar no ‘roadshow’ que passará por São Francisco, Nova Iorque e Tel Aviv, as dez equipas vencedoras irão receber prémios em produtos e serviços no valor de 150 mil euros. As cinco melhores ‘startups’ que passaram pelo Lisbon Challenge podem passar para uma segunda fase de incubação de seis meses, onde o investimento poderá atingir os 40 mil euros e têm ainda direito a 30 anos de espaço de escritório gratuito, cedido pela Câmara Municipal de Lisboa.

 

Lisboa como capital mundial de ‘startups’

O anúncio da empresa vencedora do Lisbon Challenge marcou o encerramento do Lisbon Investment Summit. O evento, que teve lugar no Espaço Brasil do Lx Factory, em Lisboa, contou com mais de 500 participantes. O objetivo desta iniciativa era claro: “[O Lisbon Investment Summit] pretende aproximar as ‘startups’ dos investidores no fim do Lisbon Challenge”, explicou Pedro Rocha Vieira presidente da Beta-i, durante a sessão de abertura do evento. Já o presidente do Turismo de Portugal, João Cotrim Figueiredo, que também marcou presença no Lisbon Investment Summit, foi ainda mais longe e considerou que o objetivo deste tipo de iniciativas é “transformar Lisboa na capital mundial de ‘startups’”.

Lisbon challenge
A My.Skinmix foi a vencedora da edição de outono do Lisbon Challenge.

Mais uma vez, a questão do financiamento das ‘startups’ foi um tema central que esteve latente nos diversos painéis do evento. Stephan Morais, administrador executivo da Caixa Capital, referiu que, enquanto investidor, “é bastante importante para a Caixa Capital acompanhar as ‘startups’ desde o início para comprovar o seu potencial, mas ao mesmo tempo estar próximo das grandes empresas como a Sonae, José de Mello ou Amorim para testar os produtos das ‘startups’”.

O administrador executivo explicou quais são as características das ‘startups’ que procura para investir. Devem pertencer a uma das seis áreas com mais importância nos dias que correm: tecnologia-financeira; conveniência; inteligência artificial e robótica; ‘big data’ e as empresas ligadas ao setor da saúde. Além disso, devem ainda “ter algum lucro, conhecer muito bem o mercado e pensar em grande”, explicou o responsável da Caixa Capital. A posição foi corroborada também por outro responsável da Caixa Capital: No painel dedicado ao investimento estratégico, Rui Rodrigues relembrou que a possibilidade de entrada em mercados internacionais é também um fator bastante importante para a sociedade de capital de risco do grupo Caixa Geral de Depósitos.

Além da discussão dos temas relacionados com o financiamento, o Lisbon Investment Summit ficou ainda marcado pelo painel “Startup Life: Celebrating Failure and Success” que contou com a presença de Pedro Veloso, fundador da Limetree (empresa que fechou portas no fim de outubro), Miguel Santo Amaro da Uniplaces e Mauro Bôneco da My Child. Os empreendedores foram convidados a celebrar o sucesso mas acima de tudo o falhanço, peça fundamental para garantir que os mesmos erros não serão cometidos no futuro de acordo com os empreendedores presentes.

 

O Lisbon Challenge em números

Ao longo das três edições bienais deste programa, o Lisbon Challenge já recebeu cerca de 1200 candidaturas de 57 países, contabilizando 23 milhões de euros em capital de arranque e cerca de 400 postos de trabalho criados. Os números revelam a importância que este programa de aceleração ganhou ao longo dos seus três anos de existência. A próxima edição do Lisbon Challenge irá realizar-se na primavera de 2015 e as candidaturas encontram-se abertas até dia 11 de janeiro. Para mais informações deverá consultar o site deste programa de aceleração.

 

 

Leia também:

Startups: Saiba como ter uma equipa vencedora

Lisbon Challenge: À procura do próximo gigante tecnológico

“O Lisbon Challenge pode tornar-se no Y Combinator europeu”

Lisbon Investment Summit: Os conselhos dos investidores

Saiba como atrair os investidores para o seu negócio

Uma resposta a “Lisbon Challenge chega ao fim com ronda de investimento”

  1. Thiago

    Nós participamos e recomendamos!
    Screencorp – https://screencorp.com.br

    Responder

Deixe um comentário

A Caixa de Comentários é moderada. O Saldo Positivo reserva-se o direito de não publicar os comentários que possam ser considerados ofensivos.

PUB
PUB
PUB