Probe.ly: A ‘startup’ que zela pela segurança informática

Conheça o percurso desta 'startup' que desenvolve produtos de segurança informática, vocacionados para a segurança em ‘apps’.

Probe-artigoA Probe.ly ainda não comemorou um ano de vida desde o seu lançamento oficial, mas isso não a impediu de se destacar na última edição do programa de aceleração Lisbon Challenge. Como ‘startup’ mais promissora, recebeu um investimento de 75 mil euros da Caixa Capital, com direito ainda a 25 horas de apoio e aconselhamento jurídico da parte da sociedade de advogados Morais Leitão. Além disso, a Probe.ly foi também uma das 66 ‘startups’ vencedoras do concurso Road2WebSummit, lançado pelo Governo.

Mas afinal o que faz esta ‘startup’? Desenvolve produtos de segurança informática, especialmente vocacionados para a segurança em ‘apps’. Chama-se Probe.ly porque a sua tecnologia funciona como uma sonda (probe) que entra nas aplicações para tentar encontrar vulnerabilidades na segurança. “Algo que nos distingue é o facto de a nossa ferramenta estar orientada a programadores, em que é disponibilizada ajuda sobre como corrigir as vulnerabilidades encontradas, tendo em conta a ‘framework’ tecnológica utilizada na aplicação que estamos a auditar”, diz Nuno Loureiro, CEO da Probe.ly. Um pormenor importante é que a solução é um produto ‘Software as a Service’, disponibilizado na Cloud, não conhecendo por isso fronteiras. O CEO destaca ao Saldo Positivo que o Probe.ly “é um produto global e que os clientes podem ser de qualquer geografia”.

 

Como tudo começou….

Apesar de a empresa ter sido oficialmente criada em abril de 2016, Nuno Loureiro e os cinco colegas de equipa, começaram a escrever a história da Probe.ly há cerca de seis anos, quando trabalhavam juntos na área de segurança do Portal Sapo. “Éramos todos colegas e a ideia de desenvolver o produto só surgiu depois do Celso Martinho (ex-director SAPO) ter saído e criado a BrightPixel, uma empresa que ajuda outras a crescer e a desenvolver, e de nos ter convidado para desenvolver um produto na área de cibersegurança”, explica Nuno Loureiro. “Fomos contratados para desenvolver um produto, e depois de o lançar no mercado, fazer um ‘spin-off’ e seguir a nossa vida”, acrescenta.

Sobre a participação no Lisbon Challenge, Nuno Loureiro garante que foi um momento “bastante importante. Não só pelo facto de validar o potencial do nosso produto e equipa, mas também pela exposição que nos deu e porque será uma ajuda preciosa em futuros ‘rounds’ de financiamento”. Mas o reconhecimento pode não ficar por aqui. Além daquele financiamento de 75 mil euros, a Probe.ly habilita-se a um adicional – se vier a ser considerada a mais promissora startup do Caixa Empreender Award 2017 (a decorrer em breve) a que acedeu imediatamente após a sua participação vencedora no Lisbon Challenge. Nuno Loureiro admite que a equipa já está preparada para fazer o ultimo ‘pitch’ desta ronda final de investimento pela Caixa Capital, seja em que contexto for. “Foi algo para o qual o Lisbon Challenge nos preparou”, afirma, acrescentando que agora o objetivo é “fazer evoluir o produto e o negócio”.

 

‘Startup’ também marcou diferença na WebSummit

A especificidade e importância da solução que a Probe.ly desenvolve também chamou a atenção de quem passou pela WebSummit, que decorreu em Lisboa em novembro passado. A este propósito, Nuno Loureiro diz que a participação nesta mega iniciativa de tecnologia superou as expectativas. “A experiência foi extremamente positiva para validar alguns pressupostos do nosso produto e para termos contacto com potenciais clientes”. Já no próximo mês de fevereiro, a Probe.ly vai lançar uma versão ‘private beta’, em que um grupo restrito de empresas interessadas no produto vai poder testá-lo. A maioria das empresas deste grupo foram identificadas precisamente durante a WebSummit. Após o teste, e feitas algumas afinações ao produto com base no ‘feedback’ a ideia é lançar o produto no mercado, havendo já vários potenciais clientes e parceiros na calha, de diferentes geografias e indústrias.

 

Bilhete de identidade da Probe.ly

– Data de nascimento: Abril de 2016

– Área de atuação: Tecnologia, cibersegurança

– Financiamento já obtido: 200 mil euros por parte da Bixtel Pixel e 75 mil da Caixa Capital

– Equipa: Seis pessoas

– Sede: Rua da Emenda 19, Lisboa

 

Leia também os seguintes artigos:

-Clarice App quer mudar a organização de viagens

-Exogenus quer inovar no tratamento de doenças crónicas

– Kalipso, a plataforma que permite criar ‘apps’ como legos

– Origama, a história de uma toalha de praia diferente

– Tripaya, o motor de busca que descobre o seu destino de férias

– Ectosense revoluciona o diagnóstico da apneia de sono

Deixe um comentário

A Caixa de Comentários é moderada. O Saldo Positivo reserva-se o direito de não publicar os comentários que possam ser considerados ofensivos.

PUB
PUB
PUB