“Queremos ajudar as empresas a gerir as finanças”

Conheça o percurso da MagniFinance nesta entrevista a André Silva, um dos fundadores da 'startup' que venceu o Caixa Empreender Award.

Magnifinance artigo
A equipa fundadora da ‘startup’ MagniFinance, da qual faz parte o co-fundador André Silva (à direita na foto)

Depois de ter sido selecionada pela Caixa Capital como a ‘startup’ Lisbon Challenge de 2014 e premiada com um investimento de cem mil euros, a MagniFinance foi a grande vencedora do Caixa Empreender Award, somando mais 100 mil euros de prémio final. Confiante, o CEO da MagniFinance, Jorge Rodrigues dos Santos foi o primeiro a subir ao palco para defender perante o painel de jurados o potencial de mercado da sua empresa, no mercado há apenas cinco meses. Em entrevista ao Saldo Positivo, André Silva, um dos fundadores da MagniFinance, explicou os segredos do sucesso do negócio desta ‘startup’.

 

Que importância confere à vitória no Caixa Empreender Award?

Para nós foi muito importante ver o trabalho reconhecido num evento tão prestigiado como o Caixa Empreender Award. Além do prémio monetário, a distinção é sempre mais uma fonte de motivação para continuarmos o nosso trajeto. Ao sermos escolhidos para concorrer ao prémio, tínhamos obviamente a esperança de o conseguir ganhar, mas sabíamos que era difícil dada a qualidade das outras ‘startups’ presentes no evento. Felizmente conseguimos passar a mensagem e mostrar o potencial da MagniFinance.

 

De que forma vão aplicar os 100 mil euros do prémio?

Os 100 mil euros vão ser utilizados essencialmente para expandir a equipa da MagniFinance, permitindo aumentar o foco de cada elemento em sectores estratégicos para a empresa. Vamos conseguir redefinir objetivos e antecipar as metas que tínhamos definido para este ano. Idealmente gostaríamos que numa próxima ronda de investimento estivéssemos em posição de fortalecer a nossa presença num mercado externo, dando força à nossa estratégia de internacionalização a médio prazo.

 

Como nasceu a MagniFinance?

A MagniFinance surgiu como um produto de uma empresa de consultoria de sistemas de informação em resposta às necessidades sentidas pelos seus fundadores em gerir e controlar as finanças de forma simples e eficaz. Ao verificar que não existia nada no mercado que fosse de encontro às necessidades, quer por falta de funcionalidades quer por elevada complexidade para uma pequena empresa, decidiram desenvolver internamente uma solução. O interesse que outras empresas demonstravam ao terem conhecimento da solução foi o que levou os quatro sócios a acreditar que tinham um produto com potencial para comercializar. Os passos que se seguiram foram a criação da marca e a adaptação do produto, que chegou assim ao mercado em 2014.

Qual é o “problema” dos consumidores que a MagniFinance está a tentar resolver?

A MagniFinance quer ajudar as empresas a reduzir o tempo que passam a gerir financeiramente o negócio a cinco minutos diários. A aplicação sincroniza automaticamente os extratos bancários de diferentes bancos permitindo reconciliar estes movimentos com as despesas e as receitas provenientes das faturas criadas na própria plataforma. Disponibiliza informação atualizada, agregada e fácil de analisar, em qualquer sítio e a qualquer hora. Para além da poupança de tempo, ainda permite às empresas saber como estará a sua tesouraria no futuro. Desta forma é possível aos gestores controlar com rigor a situação financeira da empresa em tempo real, invertendo a tendência de conhecerem os resultados a partir da informação vinda dos seus contabilistas no final de cada trimestre.

 

Que balanço faz da participação no Lisbon Challenge?

No momento em que decidimos participar no Lisbon Challenge, a solução MagniFinance estava pronta a ser comercializada e tínhamos os primeiros utilizadores. Considerámos que o ‘timing’ era perfeito para obter ‘mentoring’ em áreas em que as competências da equipa não estavam tão desenvolvidas como marketing, vendas e comunicação. O balanço é extremamente positivo pois tivemos acesso direto a pessoas com grande experiência nas mais diversas áreas de negócio, que muito provavelmente já tinham passado pelos nossos problemas e nos conseguiram dar a sua ajuda para alcançarmos mais rapidamente os nossos objetivos. Também a nível de obtenção de investimento para a empresa foi fundamental a exposição que o programa tem junto dos principais investidores em ‘startups’ em Portugal.

 

Quais são os planos para o futuro?

A curto prazo, os planos para o futuro passam por fazer crescer a marca e consolidar a nossa presença em Portugal para que passe a ser a referência nas plataformas de gestão financeira para pequenas e médias empresas. Também a nível de funcionalidades do produto estão previstas várias evoluções sempre com o objetivo de continuar a simplificar o dia-a-dia dos gestores de empresas. A médio prazo pretendemos iniciar o estudo e implementar a estratégia de internacionalização da solução pois acreditamos que neste momento, à exceção do mercado norte-americano, não existem soluções semelhantes para resolver problemas que são universais.

Deixe um comentário

A Caixa de Comentários é moderada. O Saldo Positivo reserva-se o direito de não publicar os comentários que possam ser considerados ofensivos.

  • FERRAMENTAS

    PUB
    PUB
    PUB