Sabe a que férias tem direito?

Agora que o verão se aproxima, conheça os principais direitos dos trabalhadores no que diz respeito ao gozo de férias.

feriasFérias. Na vida são poucas questões que geram uma resposta tão consensual como a pergunta: ”Qual é a época do ano que mais gosta?”. A resposta para muitas pessoas é previsível: altura das férias. Agora que o verão está prestes a começar e muitos portugueses começam a preparar-se para gozar o período de férias mais alargado, o Saldo Positivo dá-lhe a conhecer em nove questões os grandes direitos e deveres dos funcionários no que diz respeito ao gozo de férias.

 

1. Quantos dias de férias tem direito?

Esta é uma questão simples mas que pode dar azo a algumas dúvidas. O artigo nº 238 do Código do Trabalho refere que “o período anual de férias tem a duração mínima de 22 dias úteis”. Mas nem sempre foi assim. Até à entrada em vigor da Lei nº 23/2012, o Código do Trabalho tinha um artigo que previa o aumento do período de férias até três dias ao trabalhador com base no critério da assiduidade. Ou seja, o período mínimo de férias poderia ir até aos 25 dias úteis. No entanto, com a entrada em vigor da lei acima assinalada este artigo foi revogado. E como tal, esta majoração deixou de existir. Apesar desta alteração, nem todos os trabalhadores viram os seus dias de descanso diminuir. Numa decisão tomada em setembro de 2013, o Tribunal Constitucional veio dizer que esta revogação não pode sobrepor-se às regras inscritas numa convenção coletiva de trabalho. Quer isto dizer que se um funcionário estiver abrangido por um contrato coletivo de trabalho que preveja o direito a, por exemplo, 25 dias úteis de férias, esse direito terá de ser mantido e cumprido.

Recorde-se ainda que a lei refere que o direito a férias a gozar vence-se a 1 de janeiro de cada ano civil.

 

2. Quantos dias de férias tem direito um trabalhador no primeiro ano em que é admitido?

Apesar dos 22 dias úteis de férias serem a regra geral, a legislação prevê uma duração diferente a aplicar em casos especiais. Por exemplo, no ano de admissão, o trabalhador tem direito a dois dias úteis de férias por cada mês de duração de contrato até a um máximo 20 dias, cujo gozo só pode ter lugar após seis meses completos de trabalho. Imagine o caso de uma pessoa, com contrato de trabalho com duração superior a seis meses e que inicia funções na empresa a 1 de setembro. A 1 de março terá direito a oito dias de férias (dois dias de férias relativos a cada mês de trabalho no ano da celebração do contrato). Mas como entretanto, a 1 de janeiro venceram-se 22 dias úteis de férias, o funcionário irá beneficiar nesse ano a um total de 30 dias úteis de férias.

Já no caso de se tratar de uma pessoa que tiver um contrato com duração inferior a seis meses, ela terá direito a dois dias úteis de férias por cada mês completo de duração do contrato. As férias deverão ser gozadas imediatamente antes da cessação do contrato de trabalho.

 

3. Quem marca as férias?

As férias são marcadas por acordo entre o empregador e o funcionário. Mas se ambas as partes não chegarem a um acordo, o empregador pode marcar as férias, “ouvindo a comissão de trabalhadores ou, na sua falta, a comissão intersindical ou a comissão representativa do trabalhador interessado”, explica o artigo nº 241 do Código do Trabalho. Segundo informações disponíveis no site da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), nestes casos o empregador só poderá marcar o período de férias entre o dia 1 de maio e o dia 31 de outubro, “a menos que o instrumento de regulamentação coletiva de trabalho ou o parecer dos representantes admita época diferente”. As regras dizem ainda que o gozo do período de férias pode ser interpolado “desde que sejam gozados, no mínimo, 10 dias úteis consecutivos”.

Imagine ainda o caso de haver vários funcionários que pretendem tirar férias no mesmo período. Como se procede nestes casos? A legislação refere que “os períodos mais pretendidos devem ser rateados, sempre que possível, beneficiando alternadamente os trabalhadores em função dos períodos gozados nos dois anos anteriores”.

 

4. Pode o empregador obrigar o funcionário a tirar férias num determinado período?

Em caso de encerramento da empresa para férias, sim pode. O artigo nº 242 do Código do Trabalho prevê que “o empregador pode encerrar a empresa ou estabelecimento, total ou parcialmente, para férias dos trabalhadores até 15 dias consecutivos entre 1 de maio e 31 de outubro”. Mas se a atividade da empresa assim o exigir, o encerramento para férias pode ser superior a 15 dias consecutivos entre 1 de maio e 31 de outubro. Além disso, as alterações ao Código do Trabalho introduzidas em 2012 vieram também trazer a possibilidade de as empresas encerrarem para férias durante cinco dias úteis na época de férias escolares do Natal e um “dia que esteja entre um feriado que ocorra à terça-feira ou quinta-feira”- desde que avise os trabalhadores até 15 de dezembro do ano anterior.

Continue a ler o artigo nas páginas seguintes: 1 2 | Ver artigo Completo

3 respostas a “Sabe a que férias tem direito?”

  1. Carla Perraes

    Queria que me indicasse onde posso saber exactamente os dias a que tenho direito.

    Responder
  2. Pereirinha

    Bom trabalho. Elucidativo e claro

    Responder

Deixe um comentário

A Caixa de Comentários é moderada. O Saldo Positivo reserva-se o direito de não publicar os comentários que possam ser considerados ofensivos.

PUB