Lições financeiras que deve saber antes de ir para a universidade

Com uma maior liberdade financeira, muitos jovens universitários não sabem gerir um orçamento mensal. Saiba como se faz.

universidade
Existem algumas estratégias financeiras que os jovens devem ter em conta antes de ir para a universidade para não derraparem no orçamento.

Todos os anos, muitos jovens saem de casa dos pais para partirem para a universidade, em cidades onde pouco foram ou sobre as quais nada conhecem. Com mais liberdade e com um orçamento que deriva muitas vezes do dinheiro disponibilizado pelos pais, os jovens universitários encontram pela primeira vez alguma liberdade financeira. Mas como nunca tiveram que organizar um orçamento mensal para as suas despesas, podem facilmente gastar mais do que o rendimento disponível. De acordo com dados divulgados no início de agosto, a primeira fase de candidatura ao ensino superior contou com mais de 42 mil inscrições. Mais dois mil alunos do que no ano passado. Por isso, se está perto de percorrer os corredores universitários pela primeira vez existem algumas lições financeiras que deve ter em conta para gerir o seu dinheiro da melhor forma possível.

 

1. Saber para onde vai o seu dinheiro na Universidade

Ter toda a certeza onde está a gastar o dinheiro e inserir as suas despesas numa folha de papel ou numa aplicação de finanças pessoais para ‘smartphones’ é uma boa forma de acompanhar a evolução dos seus gastos. Lembre-se que ao não saber onde está a gastar, não tem noção de quanto dinheiro sobra e o que pode ou não pode adquirir. Uma boa forma de construir o seu orçamento é optar por inserir todas as suas despesas fixas com propinas, alojamento, alimentação e transportes e subtrair ao seu rendimento mensal. Assim, terá uma ideia de quanto dinheiro sobra para fazer face a outras despesas com material escolar, idas ao cinema ou jantares com colegas e amigos.

 

2. Encontrar um emprego

Uma das melhores formas de aprender a gerir o seu próprio dinheiro, é conseguir um emprego em ‘part-time’. Pode não ser fácil conciliar um emprego com os estudos, mas esta é uma boa oportunidade para conseguir ganhar dinheiro para as suas despesas, adquirir alguns conhecimentos práticos e também alguma experiência no mercado de trabalho.

 

3. Nunca é tarde para começar a poupar

Mesmo que tenha pouco dinheiro disponível é importante que aprenda a pôr sempre algum montante de lado. Se não tem hábitos de poupança, vá começando com valores baixos (cinco euros), nos primeiros meses e aumentando o valor gradualmente assim que se sentir mais confortável a poupar um pouco mais. Esta poupança irá ser importante para quando tiver um gasto imprevisto, como o pagamento da recuperação de um exame, por exemplo.

 

4. Aprender a poupar na alimentação

Antes de sair de casa para frequentar a universidade é igualmente importante que saiba como cozinhar. Até porque a melhor forma de poupar na alimentação é fazendo você mesmo as suas próprias refeições. Opte por uma alimentação feita à base de legumes e frutas da época, evitando as refeições pré-preparadas. Quando tiver que ir ao supermercado leve consigo uma lista com todos os produtos que necessita e tente comprar apenas os artigos presentes na lista.

 

5. Aproveitar as “borlas”

Tire partido da sua idade e adira a algumas vantagens financeiras de ser jovem. Além das vantagens existentes nos bancos como isenções nas comissões de manutenção da conta, cartões de débito e crédito, existem também descontos ligados ao Cartão Jovem e ao Cartão de Estudante. Lembre-se que se está a pensar em arrendar casa, pode sempre recorrer ao Porta 65. Fique a conhecer com mais detalhe estas vantagens no artigo “Seis vantagens financeiras para os jovens”.

 

6. Evitar as dívidas no cartão de crédito

O cartão de crédito pode ser um instrumento benéfico: imagine que lhe acontece um imprevisto financeiro e necessita rapidamente de algum montante disponível. O recurso ao cartão de crédito permite-lhe fazer face a esse imprevisto. No entanto, não se esqueça que ao utilizar o saldo do cartão de crédito poderá incorrer no pagamento de juros. Para evitar estes juros, tenha a certeza que salda a sua dívida dentro do período de crédito gratuito (que pode variar entre 20 a 50 dias).

 

7. Começar a pensar no futuro

Apesar de o fim da universidade ainda estar longe é imperativo que tenha em conta o que quer fazer no futuro. Cada vez mais os jovens optam por frequentar programas de intercâmbio – como é o caso do programa Erasmus – sendo que quando concluem a universidade existe uma maior procura de emprego em outros países. Além disso, há também uma grande oferta de mestrados que incentivam os jovens a continuarem os seus estudos até mais tarde. Dependendo do seu curso, terá entre três a cinco anos para pensar neste assunto, mas é importante que tenha em conta os investimentos que pode fazer durante este período. Se tiver algum dinheiro posto de parte, procure informar-se sobre o mundo dos investimentos e sobre qual o produto mais indicado para si. Tenha bastante atenção aos riscos que pode correr e institua um limite de ganhos e de perdas para não sair prejudicado.

 

Leia também: 

10 ideias para os jovens conseguirem emprego 

Quatro boas razões para poupar aos 20 anos

Que apoios existem ao arrendamento?

Dicas de sucesso para universitários

Universitários: seis passos para organizar as suas contas

Deixe um comentário

A Caixa de Comentários é moderada. O Saldo Positivo reserva-se o direito de não publicar os comentários que possam ser considerados ofensivos.

PUB