Mesada ou semanada: Como definir o valor?

Saber quando deve começar a dar uma mesada ao seu filho pode ser difícil. Descubra a melhor idade para introduzi-lo ao dinheiro e que valor a dar.

mesada1Ensinar aos filhos o valor do dinheiro é uma das lições mais valiosas que lhes  pode passar. E uma das melhores formas para começar a incutir-lhe algumas ideias importantes, que os irão guiar para o resto da vida, é através da mesada. É nesta altura que pode introduzir conceitos como: poupar, gastar, doar, gerir e respeitar um orçamento.

Quanto é que deve dar vai depender das possibilidades do agregado familiar, mas o valor deve ter em consideração alguns fatores como a idade do seu filho, o rendimento da família e as despesas que a criança tem. Para saber mais sobre a mesada para as crianças, o Saldo Positivo falou com Susana Albuquerque, especialista em educação financeira.

 

Quando introduzir a mesada?

Resposta: “A partir dos cincos ou seis anos, às vezes até antes, se os pais acharem que a criança tem maturidade para isso”, explicou a especialista. É nesta idade que começam a ir para a escola e podem ser apresentados a alguns valores financeiros. No entanto, é preciso ter em atenção que ainda têm pouca autonomia para gastar dinheiro, por isso não lhes deve passar muito dinheiro para as mãos, pois ainda não têm a noção do seu valor.

“Costumo recomendar que se comece por um euro por semana e que seja dado em 10 moedas de 10 cêntimos”, aconselha Susana Albuquerque. Ao mesmo tempo, deverá também introduzir três mealheiros – convém que sejam transparentes – que podem ser feitos em família. Um será para poupar, outro para gastar e outro para doar. “Estas são as três grandes escolhas financeiras que temos em adultos e do ponto de vista da educação financeira é importante que as crianças apreendam”, prossegue. Caso gastem o dinheiro todo ou apenas o poupem, estão a desvirtuar um dos grandes objetivos da semanada e da mesada que é ensiná-las a fazer, gerir e respeitar um orçamento. “Por exemplo, se definem que querem gastar 50 cêntimos a comprar algo que gostam muito, como gomas, é importante que o respeitem, porque senão ficam sem dinheiro para poupar ou para doar”.

Aos pais cabe o papel de monitorizar em vez de punir. No caso de as crianças gastarem o dinheiro da semanada ao segundo dia, evite julgar e criticar. Prefira antes tentar perceber porque é que gastou tudo e incentivá-lo a fazer de forma diferente na próxima semana. A ideia é que aprendam as consequências, o sentido de autonomia e responsabilidade. “Por isso é importante que não dê mais dinheiro, porque aí a semanada deixa de ser um instrumento de educação financeira”, prossegue.

 

Quanto dar de mesada

Não existe uma quantia apropriada definida para dar de mesada aos filhos. O valor decidido deve ser suficiente para providenciar algum dinheiro para que aprenda a gerir as suas necessidades financeiras. Muitos fatores influenciam esta decisão como, por exemplo, a idade, o rendimento do agregado familiar, onde vivem e as despesas que o filho tem.

“É importante que os pais definam para o que vai servir a mesada e façam as contas. Há pais que não se importam de dar o dinheiro para lancharem na escola ou outra coisa, mas devem dar um pouco mais para que consigam poupar, sem ter de escolher entre comprar ou colocar no mealheiro”, explica Susana Albuquerque. O valor da mesada deve aumentar à medida que as crianças vão crescendo e têm outras necessidades, tal como acontece naturalmente ao longo da vida. Isso ajuda a aumentar a responsabilidade.

Outro fator importante para definir um valor é o rendimento do agregado familiar. A mesada deve ser adequada aos rendimentos da família: quanto é que pode pagar sem comprometer o orçamento familiar para as coisas básicas? Se não pode definir um valor que ache apropriado, seja honesto e diga que neste momento as finanças da família não permitem mais. “Se está a tentar ensinar os filhos a respeitar um orçamento também deve dar o exemplo, não é bom fazer um sacrifício para que eles tenham uma mesada acima das possibilidades da família”.

No entanto, a especialista defende que, mesmo que as possibilidades financeiras dos pais sejam poucas, deverá sempre haver lugar para uma mesada, ainda que simbólica. “Da minha experiência, sempre que os pais dão mesada aos filhos, poupam dinheiro. Também é possível fazer este exercício com os recursos, aos ensiná-los a poupar água e eletricidade, entre outros”.

Os extras (roupa ou sapatos de marca) devem estar incluídos na mesada? Depende dos pais. “Há pais que dizem: eu dou-te a roupa necessária, mas se quiseres algo de marca, tens de poupar da tua mesada. E é a melhor opção: Esperar para ter é dos melhores exercícios de educação financeira, porque os filhos aprendem a poupar e a respeitar os limites do dinheiro”, prossegue a especialista em educação financeira.

 

Semanada ou mesada?

Esta é uma dúvida que assalta muitos pais e deverá variar consoante a idade. Entre os seis e os dez anos é aconselhável que seja uma semanada, uma vez que têm pouca tolerância para esperar. A partir dessa idade, devem definir uma mesada. Os pais que não dão semanada aos seis anos, não devem começar logo a dar uma mesada aos 10 anos. “Nestes casos, recomenda-se que comecem por dar uma semanada, depois quando gerem bem semanada, passar para quinzenal e depois mensal, porque se a criança ainda não tem hábito interiorizado deve começar pelo mais simples”.

Outro aspeto a considerar é que se houver mais do que um filho, a mesada deve ser distribuída de forma diferente e ser adaptada à idade de cada filho – um estudante da universidade tem necessidades diferentes de um que frequente o ciclo preparatório. “Isso deve ser feito às claras, todos os membros da família devem saber quanto é que cada um recebe e isso é bom para ajudá-los a perceber”. No entanto, deverá haver algum critério definido para saber quanto dar a cada um dos filhos.

 

Quando dar o cartão de multibanco a um filho

A idade legal para um jovem começar a ter um multibanco é aos 16 anos. No entanto, Susana Albuquerque defende que cabe aos pais avaliarem a maturidade do filho para ter ou não ter um destes instrumentos. “Se os pais acharem que o filho não terá capacidade para se controlar, não é prudente dar-lhe um cartão de multibanco em seu nome”.

 

Leia também:

Lições financeiras que os desenhos animados podem ensinar

Erros que os pais cometem na educação financeira dos filhos 

Quatro jogos que ensinam ao seu filho o valor do dinheiro 

Que seguros existem para proteger os filhos?

 

3 respostas a “Mesada ou semanada: Como definir o valor?”

  1. Ana

    E porque não só 2 mealheiros? Poupar e gastar. Porque doar no fundo também é gastar.

    Responder
  2. Sofia

    Nunca tive semanada ou mesada, e um dia tendo filhos eles não terão isso.

    Responder
  3. anonimo

    eu tambem nunca tive e sofro muito com isso

    Responder

Deixe um comentário

A Caixa de Comentários é moderada. O Saldo Positivo reserva-se o direito de não publicar os comentários que possam ser considerados ofensivos.

PUB