OPINIÃO

Susana Albuquerque Secretária-geral e coordenadora de educação financeira da ASFAC – Associação de Instituições de Crédito Especializado

Opinião: Dificuldades financeiras? Não deixe a situação avançar

Conheça os conselhos da secretária-geral da ASFAC para lidar com uma situação de endividamento e saiba onde procurar ajuda.

divida-artigoA alteração da situação financeira que o país viveu nos últimos anos veio alterar atitudes, hábitos e comportamentos de particulares e empresas e a ideia de um emprego estável e para a vida deu lugar à mobilidade e à necessidade de nos adaptarmos ao mercado de trabalho, sendo que o desemprego temporário – fruto da reestruturação do mercado laboral – tem afetado muitas famílias portuguesas.

Hoje em dia existe uma preocupação cada vez maior de encontrar soluções que possam apoiar de imediato as famílias no caso de a fonte de rendimento falhar.

É o caso do regime de gestão do incumprimento das dívidas de qualquer tipo de crédito – habitação ou consumo (DL 227/2012) que está em vigor desde 2013 e prevê que as instituições financeiras deverão monitorizar o incumprimento assim como quaisquer indícios de dificuldades financeiras por parte dos seus clientes de forma a evitar e prevenir situações de sobreendividamento passivo que, como sabemos, poderão ocorrer em resultado do desemprego, cortes salariais, divórcio e doença.

Para além disso, estão ainda previstos uma série de mecanismos que permitam facilitar a renegociação dos créditos em caso de dificuldades financeiras comprovadas por parte dos clientes.

Assim, caso se aperceba que poderá deixar de conseguir fazer face aos seus compromissos financeiros, deverá:

– olhar para o orçamento familiar e ver onde pode cortar nas despesas ou aumentar as receitas;

– se tiver um seguro de proteção ao crédito deve analisar a apólice e acionar o seguro, se for caso disso;

– entrar de imediato em contacto com a instituição financeira credora, expor a situação, e chegar a um acordo no sentido de renegociar a dívida. Por fim, é importante relembrar que existe uma Rede Nacional de Apoio ao Consumidor Endividado (RACE) cujos contactos poderá encontrar no site da Direção Geral do Consumidor: www.dgc.pt

Por outro lado, é importante lembrar aquilo que nunca deve fazer se sentir dificuldades em pagar as prestações de empréstimos:

– contratar outros créditos, quer seja em seu nome ou em nome de um familiar, para pagar prestações em atraso, uma vez que este comportamento culmina, regra geral, numa espiral de endividamento.

– não contactar a instituição financeira e deixar que a situação se arraste.

– sentir-se culpado, pois isso retirar-lhe-á recursos criativos essenciais à resolução da situação.

Para informações mais detalhadas consulte o site da ASFAC – Associação de Instituições de Crédito Especializado 

Deixe um comentário

A Caixa de Comentários é moderada. O Saldo Positivo reserva-se o direito de não publicar os comentários que possam ser considerados ofensivos.

PUB