Quanto custa importar um automóvel?

Comprar um automóvel noutro país da Europa pode trazer vantagens, no entanto, é preciso contar com todos os custos que isso implica.

carro1Gostaria de poupar algum dinheiro na compra de um automóvel? Poderá equacionar a hipótese de importar de outro país da Europa. Comprar um automóvel no estrangeiro e legalizá-lo em Portugal poderá trazer algumas vantagens económicas, nomeadamente se se tratar de um veículo em segunda mão. No entanto, é um processo algo burocrático e moroso pois existem documentos e procedimentos que têm obrigatoriamente de ser tratados. Além disso, ao preço do automóvel terá de somar os custos inerentes ao processo, como os impostos que são devidos no país onde compra o veículo e em Portugal, onde terá de legalizá-lo para poder circular.

No entanto, existem várias situações em que a importação pode ser vantajosa. “De um ponto de vista puramente económico, no caso de veículos até três anos, com valores de CO2 reduzidos; ou no caso de veículos de gama alta, com mais anos, cuja desvalorização em Portugal seja elevada”, explicou Nuno Ferreira, da Importmycar, empresa que se dedica à importação de automóveis, ao Saldo Positivo.

Para aqueles para quem o automóvel é mais do que um meio de transporte, a diversidade da oferta que existe no mercado europeu pode ser bastante atraente. “A disponibilidade é tão grande que, em certas marcas e modelos, mesmo tratando-se de veículos usados, o consumidor pode escolher cor e equipamento como se de um veículo novo se tratasse”, prosseguiu o especialista. Pode também ser uma opção se quiser adquirir um veículo que não exista em Portugal, como por exemplo, “veículos do mercado americano ou asiático, ou também os clássicos que, apesar de poderem existir em Portugal, poderão ter um preço elevado ou não reunirem as condições pretendidas”, como exemplificou Nuno Ferreira. As motas, os pesados e as autocaravanas são também cada vez mais procurados no mercado dos importados.

 

Quanto custa a legalização?

As contas devem ser feitas antes de fazer a compra, porque o custo de legalização do automóvel em Portugal pode ser desmotivador e, em alguns casos, poderá não compensar o trabalho que terá. Assim, deverá contar algumas despesas como: impostos, taxas e emissão de documentos. Conheça os custos inerentes à legalização do automóvel em Portugal.

 

1.  Despesas de transporte

Em primeiro lugar é importante contar com os custos da logística associada à compra e transporte da viatura. Uma vez que o automóvel não está registado em Portugal, como vai transportá-lo? De acordo com o site da Comissão Europeia, tem três hipóteses para fazê-lo: rebocá-lo, atrelando-o a um veículo registado e devidamente segurado, pode contratar uma empresa de transporte especializada ou conduzi-lo até casa. Se optar pela última hipótese, irá necessitar de um seguro válido para todos os países por onde vai circular e uma placa de matrícula provisória. Informe-se antes de tomar a decisão. A isto, terá ainda de juntar despesas de gasolina e portagens.


2.  Inspeção

Assim que chega a Portugal, o automóvel terá de ser sujeito a uma inspeção no Centro de Inspeção Técnica de Veículos categoria B, onde irão verificar se as caraterísticas do automóvel estão em conformidade com os documentos que trouxe. Este processo tem um custo de 76,25 euros.


3.  ISV

Uma vez chegado a Portugal terá de pagar o Imposto Sobre o Veículo (ISV). Este é um imposto pago uma única vez, que incide sobre a primeira matrículação de um veículo em Portugal. “Considerando o exemplo de um ligeiro de passageiros sujeitos à tabela A, os fatores principais a ter em conta são o ano e mês da matrícula, a cilindrada, o CO2 e as emissões de partículas, no caso dos veículos a diesel. Outros fatores como os quilómetros, equipamentos e valor comercial também podem ser relevantes”, explicou Nuno Ferreira.

É ainda importante referir que, no caso de adquirir um automóvel usado, poderá ter um desconto percentual consoante a idade do veículo. Se o automóvel tiver entre um e dois anos pagará menos 20%. Entre os dois e os três anos, o desconto sobe para 28%; se tiver entre três a quatro anos, terá direito a uma redução de 35%; entre os quatro e os cinco anos, o desconto é 43%. Já os veículos com mais de cinco anos, terão um desconto de 52%. Antes de fazer a compra faça uma simulação do ISV a pagar no site das Finanças.

 

4.  IVA

O pagamento do IVA é diferente caso compre um automóvel novo ou usado. Se decidir comprar um carro novo está isento do pagamento do IVA no país onde compra, mas depois deverá regularizar esse pagamento em Portugal. Como automóvel novo consideram-se os que têm menos de seis meses e menos de 6.000 quilómetros.

Caso se trate de um automóvel usado, ou seja, que tenha mais do que seis meses e mais do que 6.000 quilómetros, a diferença reside no facto de comprar a um particular ou a um concessionário automóvel. No primeiro caso não há lugar ao pagamento do IVA nem no país de residência, nem onde adquire, segundo informação que consta no site da Comissão Europeia. Caso se trate de uma compra num concessionário terá de pagar o montante de IVA aplicável no país onde adquire o automóvel, mas não paga IVA no país de residência. Seja qual for o caso, mandam as normas da União Europeia que nunca pague duas vezes o IVA do automóvel.


5.  Taxa de matrícula

Quer se trate de um veículo novo ou em segunda mão terá sempre de requisitar a atribuição de uma matrícula nacional a um veículo comprado no estrangeiro. Este pedido é feito no IMT e está simplificado, desde que o veículo tenha uma homologação europeia e seja apresentado o certificado de conformidade comunitário (COC). No entanto, tem custos associados que podem ir dos 45 aos 205 euros (45 euros + 160 euros), consoante os automóveis tenham, ou não, todos os documentos necessários. Consulte o site do IMT para saber mais informações relativamente aos documentos e taxas pagas por automóveis usados ou novos.


6.  Documento Único Automóvel

O Documento Único Automóvel/Certificado de matrícula é um documento que junta toda a informação contida no livrete e no título de registo de propriedade. É o documento de identificação do veículo e reúne as caraterísticas identificadoras do veículo, bem como os elementos referentes à sua propriedade. Este documento poderá ser pedido aos balcões da Conservatória de Registo Automóvel ou através do site Automóvel Online e tem um custo de 55 euros.

 

Leia também: 

Seguro automóvel: O que pode acontecer se não o tiver?

10 coisas que deve fazer pelo seu carro

Automóvel: Registo de propriedade com novas regras

10 dicas para poupar… nos transportes

Oito dicas para quem quer comprar carro usado

Uma resposta a “Quanto custa importar um automóvel?”

  1. Luis Bruno

    Os cidadãos portugueses que transferem a sua residência de um Estado Membro da União Europeia ou, de um país terceiro, para Portugal podem beneficiar da isenção de imposto automóvel (ISV) na importação de veículos. Para mais informaçoes consultar a A. Tributaria e Aduaneira.

    Responder

Deixe um comentário

A Caixa de Comentários é moderada. O Saldo Positivo reserva-se o direito de não publicar os comentários que possam ser considerados ofensivos.

PUB