Seguros para crianças: Como funcionam?

Se tem filhos e quer protegê-los, conheça alguns seguros para crianças e veja como funciona cada uma destas apólices.

seguros para criançasDiz a sabedoria popular que “quem tem filhos, tem cadilhos”. E apesar de todos sabermos que as crianças são o melhor do mundo – tal como o referiu Fernando Pessoa num dos seus poemas – a verdade é que as crianças frequentemente são mais suscetíveis de se verem envolvidas em acidentes motivados pelas suas traquinices e distrações. Para proteger as crianças e as suas famílias dos danos causados por esses incidentes muitas seguradoras desenvolveram apólices vocacionadas para os clientes de ‘palmo e meio’. Conheça os principais seguros para crianças e saiba quais são as situações em que compensa subscrevê-los.

 

1. Seguros de acidentes pessoais

Este tipo de apólices protege o seu filho de dados causados por acidentes em que ele esteve envolvido. É o caso, por exemplo, de uma queda de bicicleta ou de uma entorse no pé causada durante um jogo de futebol. Por norma, estes seguros asseguram as despesas de tratamento do seu filho, preveem o pagamento de um subsídio em caso de internamento hospitalar e garantem o pagamento de uma indemnização de em caso de invalidez ou morte.

 

Dica:

Segundo uma análise da Deco este tipo de seguros são mais aconselháveis e interessantes para as famílias que não tenham uma boa cobertura em termos de saúde. Recorde-se que em alguns acidentes que possam envolver o seu filho poderá acionar o seguro de saúde ou o seguro escolar (que cobre danos que aconteçam dentro da escola ou no trajeto escola-casa).

 

 

2. Seguros de responsabilidade civil familiar

O seguro de responsabilidade civil familiar permite a cobertura de danos causados pelo seu filho a terceiros, como é o caso de riscos no carro de um vizinho ou a quebra de um vidro de uma montra de uma loja. Este tipo de apólice tem a vantagem de cobrir os danos causados não só pelas crianças, mas também por todos os restantes membros do agregado familiar e ainda inclui os danos causados por empregados domésticos e animais domésticos. Este é um tipo de apólice que pode ser interessante para muitas famílias já que permite proteger o orçamento e as finanças dos agregados contra acidentes provocados pelos filhos e que possam causar danos elevados.

 

Dica:

A apólice de responsabilidade civil familiar é uma cobertura já prevista em muitos seguros multirriscos, associados ao crédito à habitação. Ou seja, nestes casos, a contratação de um seguro de responsabilidade civil familiar torna-se desnecessária.

 

 

3. Seguros de saúde

Frequentemente as crianças precisam de cuidados médicos e para as famílias que preferem aceder a médicos e a hospitais privados, o seguro de saúde pode ser a solução indicada. Se o casal já tem um seguro de saúde será mais vantajoso juntar os seus filhos à sua apólice, já que por norma quando o seguro é feito para todo o agregado familiar o prémio anual por pessoa diminui.

 

Dica:

Antes de assinar o contrato convém analisar com detalhe as coberturas contempladas, pois pode dar-se o caso de existirem coberturas desnecessárias, o que acabará por encarecer o prémio do seguro. Mais: No caso de querer subscrever um seguro para garantir tratamentos relacionados com a saúde oral, a Deco recomenda antes a subscrição de um seguro dentário.

 

 

4. O que é o seguro escolar?

A situação é frequente: no recreio da escola, no meio de um jogo de futebol, ou numa outra brincadeira, uma criança cai e fica magoada (Ex: uma mão partida ou uma ferida que requer mais cuidados). Nestas ocasiões quem indemniza a família pelos danos?

Muitas pessoas desconhecem mas as escolas públicas são obrigadas a ter um seguro de acidentes pessoais para o seus alunos e que se destina a cobrir os danos resultados de acidentes escolares. A apólice em questão chama-se Seguro Escolar e é obrigatória para os estabelecimentos de ensino público de vários graus de ensino (jardins-de-infância, ensino básico, secundário, profissional e artístico, ensino recorrente e educação extra-curricular). Nota para o facto de os alunos que frequentam o ensino superior não estarem abrangidos pelo seguro escolar obrigatório. Também os estabelecimentos de ensino privado não estão obrigados a ter um seguro desta natureza. A exceção a esta regra são os estabelecimentos de ensino particular e cooperativo que estejam em regime de contrato de associação.

 

Leia também os seguintes artigos:

– Conheça o livro que ensina às pessoas o que são os impostos

– Como tornar o seu filho num milionário

– 10 Dicas financeiras de pais para filhos

– Quatro erros que os pais cometem na educação financeira dos filhos 

– Como ensinar o valor do dinheiro aos seus filhos

Deixe um comentário

A Caixa de Comentários é moderada. O Saldo Positivo reserva-se o direito de não publicar os comentários que possam ser considerados ofensivos.

PUB